INOVAÇÃO

Novos caminhos estão mudando o modelo disciplinar por outros centrados em aprender ativamente com problemas, desafios, atividades e leituras, combinando tempos individuais e tempos coletivos; projetos pessoais e projetos de grupo.

Novos caminhos estão mudando o modelo disciplinar por outros centrados em aprender ativamente com problemas, desafios, atividades e leituras, combinando tempos individuais e tempos coletivos; projetos pessoais e projetos de grupo.

É extremamente complexo dar aulas para alunos ou grupos com diferentes motivações. As metodologias e técnicas de comunicação precisam ser adaptadas para cada grupo. A fim de que os alunos se tornem proativos, precisamos adotar diferentes metodologias , de modo que alunos se envolvam em atividades em que tenham que tomar decisões e avaliar os resultados, com apoio de materiais relevantes. Eles precisam experimentar novas possibilidades de mostrar suas iniciativas, se desejarmos que sejam criativos.
As metodologias ativas são pontos de partida com objetivo de avançar para processos mais consistentes de reflexão, integração cognitiva, generalização e reelaboração de novas práticas.

Seguem alguns exemplos de práticas educacionais:

É a combinação do processo ensino-aprendizagem em sala de aula com fora de sala de aula ou on-line. Diversos métodos podem mesclar momentos em que o aluno estuda sozinho, de maneira virtual, com outros em que a aprendizagem ocorre de forma presencial, valorizando a interação entre pares e entre aluno e professor.

A parte presencial pode prescindir de tecnologia, sendo o professor responsável por propor atividades que valorizem as interações interpessoais com trabalhos que ofereçam uma dinâmica em sala de aula. A aprendizagem que se realiza com apoio de recursos digitais pode permitir ao aluno ter controle sobre onde, como, o que e com quem vai estudar.

O objetivo do modelo híbrido é fazer com que os momentos on-line e o presencial sejam complementares e promovam uma educação motivadora e personalizada.

A noção da sala de aula invertida aponta para o estudo individual do aluno e para que este, em sala de aula, possa interagir com o professor de maneira questionadora e onde o professor possa mediar suas dúvidas sendo o orientador da resolução do problema em questão.

Há aqui a possibilidade do processo de aprendizagem ser mais fluido e a construção do conhecimento ser orientada pelo professor.

Existem diversos motivos para adotar este método, entre os quais destacamos: a possibilidade de aproximação da linguagem dos estudantes de hoje, conectados e usuários de diferentes recursos digitais; o aumento da interação entre professores e alunos; e a possibilidade de reconfigurar a organização da sala de aula.

Uma situação problema e/ou projeto de solução aberta e contextualizada é apresentada. Os estudantes podem ser organizados em grupos. Eles identificam o que já sabem, o que precisam saber, como e onde conseguir informações para a resolução orientados pelo professor, que também pode fornecer as teorias necessárias para resolver o problema e/ou projeto enquanto os estudantes pesquisam para confrontar as hipóteses com as teorias e chegar a solução.

  • Aprendizagem baseada em projetos é uma metodologia na qual os alunos se envolvem com tarefas e desafios para desenvolver um projeto ou um produto. Este método integra diferentes conhecimentos e estimula o desenvolvimento de competências importantes, como trabalho em equipe e pensamento crítico. O ponto de partida é um problema ou uma questão que seja desafiadora, sem resposta fácil e que estimule a imaginação. Assim, o aluno tem um papel ativo no seu aprendizado.
  • Aprendizagem baseada em problemas tem como base o estudante aprender a partir da resolução de problemas da vida real, simulações ou estudos de casos propostos pelo professor. Trata-se de um desdobramento da aprendizagem baseada em projetos, que deu origem a outras propostas parecidas. A valorização dos conhecimentos prévios e o papel ativo dos alunos para lidar com questões interdisciplinares são os princípios dessa abordagem. A aprendizagem baseada em problemas, entretanto, costuma ser mais focada em um tema específico e envolve projetos de menor duração.

MOOCS são cursos online abertos, geralmente desenvolvidos por instituições acadêmicas, acessíveis a qualquer pessoa com acesso à internet. A maioria desses cursos são gratuitos e não exigem pré-requisitos para sua realização, mas também há programas compostos por módulos interdependentes, formando percursos de aprendizado, muitos deles com certificado.

Ao contrário dos cursos tradicionais, que pressupõem o acompanhamento dos alunos matriculados por um professor ou tutor, os MOOCs são idealizados para serem acessados por milhares de pessoas que, de forma autônoma, constroem sua trilha de aprendizagem. O conhecimento do aluno é testado a cada módulo aprendido, com uso de questionários e avaliações colaborativas, por exemplo.

Existem disciplinas que se adequam perfeitamente à modalidade de Educação a Distância (EAD), uma vez que suas ementas permitem a utilização de metodologias e tecnologias desde o início até o fim do processo ensino-aprendizagem. Muitas vezes os recursos que faltam numa sala de aula estão disponíveis aos alunos por meio de aplicativos e softwares. Tais recursos auxiliam na comunicação, na troca de informações, nos processos colaborativos de aprendizagem. O aluno pode realizar pesquisas orientadas na internet sobre os assuntos abordados sempre com a orientação de seu professor. Trata-se aqui de procurar gerar a autonomia do aluno.